Conecte-se conosco

Inscrever-se

Geral

Fiocruz abre ao público nova sala de consulta a acervos

A Sala de Consultas, espaço em que os acervos arquivísticos e bibliográficos da Fiocruz sob a guarda Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) podem ser vistos e pesquisados, foi reaberta oficialmente em novo endereço: o Centro de Documentação e História da Saúde (CDHS), prédio construído especialmente para abrigar esses bens, que contam a história da instituição e da saúde pública no Brasil. A inauguração marca a etapa final do processo de transferência dos itens do prédio da Expansão (hoje, campus Maré), local que ocupavam desde a década de 1980, para a nova edificação.

Nas novas instalações, que reúnem condições para atender complexas exigências de conservação, desde o clima e a iluminação adequados, à pintura do mobiliário e o acondicionamento, os presentes puderam também relembrar a trajetória da Casa de Oswaldo Cruz e homenagear seus “pioneiros”, profissionais que primeiro se dedicaram à tarefa de recuperar documentos, bibliotecas, refazer viagens e colher depoimentos para constituir acervos de importância ímpar, que a instituição reúne e mantém há mais de três décadas.

“É uma maravilha chegar aqui e ver esta sala, que expressa uma trajetória tão importante e essa linha de cuidado com os acervos que as pessoas reconhecem. Poder integrar fisicamente toda a Casa é uma coisa maravilhosa para a unidade e para a Fiocruz como um todo”, parabenizou Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz e uma das desbravadoras homenageadas. “Quando cheguei à COC, achei que fosse [participar de] um projeto por um tempo; hoje já são 35 anos de Fiocruz”, completou.

Para Nísia, a Casa tem a missão de manter viva a ideia de que é preciso refletir sobre ciência e saúde em perspectiva histórica, envolvendo outros campos disciplinares, fazendo divulgação científica e preservando o patrimônio para “projetar melhor a esperança que nos impele para o amanhã”, afirmou.

O processo de construção, ocupação, transferência e instalação dos acervos históricos no CDHS foi longo e complexo. Começou em 2006, quando a ideia surgiu pela primeira vez na Casa. Mais de uma década depois, em 2018, o prédio foi inaugurado, com elementos sustentáveis, que valorizam a iluminação natural e o uso da água das chuvas.

Os novos espaços possuem estrutura que possibilita ampliar o nível de segurança na gestão do material, composto por raridades, entre as quais, arquivos considerados patrimônio da humanidade pela Unesco, como os de Oswaldo Cruz e Carlos Chagas. Destacam-se, ainda, negativos de vidro que revelam momentos pioneiros da pesquisa biomédica e da medicina experimental no país, com registros dos primeiros anos do Instituto Oswaldo Cruz, que mais tarde viria a se chamar Fiocruz.

“Foi um longo caminho”, reconheceu o diretor da Casa, Marcos José de Araújo Pinheiro, ao destacar que a mudança representa a possibilidade da organização do trabalho de forma mais integrada, uma vez que o novo espaço une as salas de consulta dos acervos arquivístico e bibliográfico.

O diretor também pontuou que esse é o arremate de um trabalho contínuo, que foi se aperfeiçoando desde 1985, com o recolhimento de documentos espalhados pela instituição, até conquistar o reconhecimento atual. “Somente na pandemia, recebemos a doação de dez acervos arquivísticos e seis bibliográficos, que estão em fase de tratamento para posterior disponibilização”, ressaltou.

Marcos Pinheiro comemorou o êxito da transferência dos acervos no fim de 2021, quando os conjuntos documentais e coleções foram transportados do prédio da Expansão (hoje, campus Maré) para o CDHS em plena pandemia, em um processo que envolveu 68 pessoas.

“Ninguém foi contaminado por Covid. Não houve a perda de um único item ou um dano sequer a esse acervo”, declarou. O diretor salientou que além das equipes responsáveis por esses bens, dois fatores contribuíram para a transferência bem-sucedida: o suporte do grupo de trabalho de conservação preventiva e gestão de riscos, que traçou as bases metodológicas para a mitigação de riscos, e da área de gestão, responsável pela logística e de infraestrutura.

Cadastre-se

Insira seu email para receber as novidades

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Matérias mais vistas

Prédio do novo Fórum da Comarca de Itupeva é inaugurado

Itupeva

TCE julga irregular repasse de R$ 98 milhões para o HSV em 2015

Jundiaí

Carnaval 2022: Veja o que abre e fecha em Campo Limpo Paulista

Campo Limpo Paulista

Cultura lança o programa Pé de Ouvido

Jundiaí

Cadastre-se

Insira seu email para receber as novidades

Jundiaí Notícias é marca registrada. Região Metropolitana de Jundiaí abrange Cabreúva, Campo Limpo Paulista, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira e Várzea Paulista.

Conectar
Cadastre-se

Insira seu email para receber as novidades